Alunos do Município são premiados pelo SICOOB em concurso cultural

Programa realizado em parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e o SICOOB premiou produção de dois alunos das escolas municipais
 
Texto: Rodrigo K. Silva
Fotos: Vando Padilha
 
Dois estudantes da Rede Municipal de Ensino tiveram uma agradável surpresa nesta semana. Junto com seus professores e as equipes pedagógicas das escolas, eles receberam a notícia de que suas produções foram premiadas em um concurso realizado em todo o Brasil. O programa Cooperjovem, feito em parceria da Secretaria Municipal de Educação (SME) com o Sicoob, premiou uma redação e um desenho realizado pelos alunos das escolas municipais.
 
Os prêmios foram para o desenho de Miguel Macedo de Paula, da Escola Municipal Cyrillo Domingos Ricci, e para a redação de João Vitor Sampaio de Oliveira, da Escola Municipal Prefeito Coronel Cláudio. Eles desenvolveram o tema Meio Ambiente, dentro do Programa Educacional Cooperativo (PEC) do Sicoob, que ocorre em sete escolas municipais de Ponta Grossa. “Dentro deste programa, cada escola trabalha à sua maneira, conforme a realidade local. Em nossas escolas temos os Pontos de Entrega Voluntária de materiais recicláveis e outros programas de meio ambiente, os quais serviram de apoio para a criatividade de professores e alunos”, aponta Aparecida Castanho, coordenadora do programa na Prefeitura.
 
Miguel obteve a segunda colocação em nível regional e receberá uma caderneta de poupança no valor de R$ 200. Já João Vitor foi ainda mais longe. A redação que ele escreveu sobre os cuidados com o meio ambiente foi premiada em segundo lugar em nível regional e também em segundo lugar entre concorrentes da Regional Paraná. Ele vai receber uma poupança de R$ 200 pelo primeiro prêmio e também um tablet pela segunda premiação. O professor dele, Ronaldo de Moraes Telles, receberá R$ 500 pela boa colocação de seu aluno.
 
Uma pimenteira na bota

Ponta Grossa, Rio Tibagi. João Vitor comoveu os jurados do programa ao narrar uma situação em que ele encontra uma bota abandonada durante uma pescaria com seu pai. Em sua história, ela transformou-se no único peixe que foi possível fisgar em um rio poluído. “Nós fomos pescar e eu achei essa bota. Como ela não estava no lugar certo, jogada no rio, levei para casa e junto com a minha mãe, fizemos com ela um vaso e plantamos uma pimenteira. Com uma embalagem de amaciante, fizemos um regador. Aí resolvi contar essa história”, narra o jovem escritor.

“A redação dele realmente se destacou, porque estava muito bem acabada. Ele escreveu de um modo muito romântico sobre a situação e sobre a questão do meio ambiente”, observa o professor Ronaldo.
 
Um robô para salvar o planeta

Já para o desenho de Miguel, a inspiração surgiu após uma sensibilização induzida pelo programa Cooperjovem. “Utilizamos o filme do programa, bem como o material didático e outros materiais da própria escola. Outros alunos utilizaram a ideia, mas Miguel explorou de uma forma muito diferente”, conta a professora Sandra Mara. “No filme, um robô mostra como salvar o planeta. Aprendemos a respeitar o meio ambiente, é preciso fazer a coisa certa, reciclar, não poluir, porque é errado”, diz o desenhista.